Automobilismo

Fiat Chrysler e Renault seriam o grupo nº 1 em vendas no Brasil

Escrito por Pesquisa Web em 28 de Maio de 2019
[Fiat Chrysler e Renault seriam o grupo nº 1 em vendas no Brasil]

Fiat Strada e Renault Oroch: montadoras estudam fusão — Foto: Caio Kenji / G1

A Fiat Chrysler (FCA) anunciou a intenção de fusão com a Renault. O conglomerado formaria o 3º maior grupo automotivo do mundo, segundo números de 2018. No Brasil, ele seria o primeiro colocado com ao menos 26% do mercado.

"A busca pela maior competitividade é o norte que vem guiando todas essas montadoras. O mercado está assumindo uma posição de risco mais elevado e exigindo a essas empresas buscarem parcerias, fusões e até mesmo compras", explica o economista Antonio Jorge Martins, especialista em gestão estratégica de empresas automotivas da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Além da possível fusão entre FCA e Renault, Volkswagen e Ford anunciaram uma aliança global que prevê o compartilhamento de plataformas para futuros veículos. Uma picape, baseada na Ranger, será vendida no Brasil.

Nova 'gigante' no Brasil

De acordo com a associação dos concessionários (Fenabrave), 2.470.653 automóveis e comerciais leves foram emplacados no Brasil em 2018. Destes, 214.914 foram da Renault, 325.725 da Fiat e 106.945 da Jeep. Isso tornaria a nova montadora a maior do mercado brasileiro, ultrapassando a atual líder Chevrolet.

Para o economista, a fusão poderia trazer frutos positivos para o consumidor brasileiro.

"A maior competitividade pode gerar menores preços, e as empresas se fortalecerem no mercado brasileiro. Pode levar também ao desenvolvimento de novos produtos para o mercado nacional e também para exportação", afirma Antonio Jorge Martins, da FGV.

Na proposta apresentada para a Renault, a FCA ressalta que a fusão não resultaria em cortes ou demissões, mas é impossível prever as consequências a longo prazo.

"A própria FCA acabou de anunciar investimentos na fábrica de motores (em Betim) para exportação", aponta o economista. "Mas, caso a fusão aconteça, vão ter que racionalizar", acrescenta.

Ao G1, Fiat Chrysler e Renault não fizeram comentários específicos de como seria o processo de integração no Brasil.

Compartilhe!