Artigo

Crianças e adolescentes. A geração dos gadgets

Escrito por Eliana Couto em 05 de Agosto de 2019
[Crianças e adolescentes. A geração dos gadgets]

Crianças e adolescentes. A geração dos gadgets.

Está cada vez mais comum ouvir nos consultórios e escolas, relatos angustiosos de pais e mães sobre a difícil tarefa de "desconectar" os filhos de TVs, computadores, celulares, tablets e vídeos-games.

Para muitos pais, estar diante de filhos que não os escutam, que se recusam a fazer a lição de casa e que resistem fortemente para ficar mais tempo de frente à tela, a única solução encontrada foi a de retirar ou proibir o uso dos gadgets.

A discussão que sempre tenho com os pais que adotam tais medidas punitivas que me procuram é invariavelmente a mesma. Fazê-los refletir sobre a função e eficácia da decisão. Disciplinar é um processo de aprendizagem, não de punição.

Quando se faz a retirada do objeto, os pais colocam os filhos na posição de vítima, implicando diretamente no desenvolvimento da autodisciplina desta criança ou deste adolescente. Retirar o aparelho do filho, não o ensina a saber ter limites, vai ensiná-lo a sempre a depender do outro para lhe dizer o que deve ou não fazer.

O melhor e o desejável para o desenvolvimento dos nossos filhos é ensiná-los de que eles não são proibidos de usar, mas, que existe um limite estabelecido para este uso que precisa ser seriamente respeitado.

Eles precisam entender que existem muitas outras coisas para eles fazerem e usar o celular é apenas uma delas, por isto, existe um limite estabelecido de uso para que eles consigam fazer todas as coisas que precisam e que são de responsabilidade deles fazer. Desta forma, a expectativa é que com o tempo eles aprendam que não é necessário que os pais retirem o aparelho ou o proíba, e sim, que eles façam o uso responsável do aparelho, respeitando os limites e as regras estabelecidas por seus pais ou responsáveis.

É importante também, que os pais compreendam que estamos criando filhos da era digital, e tentar mantê-los distantes dos gadgets eu diria que é uma tarefa quase impossível, para os pais que conseguem, com certeza requer deles muito esforço e vigilância.

Portanto, ao disciplinar os filhos a partir da retirada do objeto, não iremos trabalhar neles a capacidade da autodisciplina, responsabilidade e autonomia. O que seria extremamente prejudicial para eles principalmente na idade adulta.

Retirar os gadgets dos filhos geralmente os deixam mais ansiosos, por isto, o recomendado é que se ensine a usar os aparelhos com limite e moderação, afinal, o uso destes aparelhos estão cada vez mais presentes em nossas vidas.

Importante salientar também que as brincadeiras ao ar livre continuam sendo muito apreciadas por nossas crianças e  adolescentes, ainda que, muitos afirmem que estamos vivendo a geração das crianças e adolescentes gadgets.

Eliana Brito de Sousa Couto é psicóloga clínica e escolar (CRP-03/19821). Contato: (71) 9-8175-9438. Atendimento psicológico para crianças e adolescentes em Camaçari e Dias d’ Ávila. Particular e convênios.

Compartilhe!